Em Pauta

10 dicas para advogados encantarem seus clientes o ano todo

08 Jan, 2020 16:44
Compartilhar

Começar o ano planejando, priorizando metas e organizando seu escritório de advocacia é essencial para garantir bons resultados durante os 12 meses seguintes.

Janeiro é sempre um bom mês para começar coisas novas. A iminência de 12 novos meses repletos de oportunidades e desafios nos faz, em níveis e estilos diferentes, sentir a necessidade de nos reorganizarmos e, por que não dizer, nos reinventarmos, para obter do novo ano o melhor que ele possa nos proporcionar. Por isso, produzimos artigos com dicas para advogados(as) que se desdobram em estratégias para seus escritórios de advocacia.

Neste início de ano, priorizamos os interesses de nossos associados, que buscam a atualização e a ampliação de suas habilidades. Assim trabalhamos para que estejam preparados para ultrapassar os desafios da advocacia, que se renovam constantemente.

Por esses motivos, teremos, durante o período, conteúdos pensados para a capacitação e oportunidades dentro do setor jurídico.

Para começar, produzimos uma lista de dicas para advogados e advogadas, com dez estratégias sobre: gestão, organização, ferramentas, dentre outros. Tópicos esses, essenciais para encantar seus clientes atuais, captar novos em 2020 e gerir de forma eficiente seu negócio e (ou) sua carreira jurídica.

Aproveite a leitura e anote as dicas especiais para advogados e advogadas que selecionamos:

1. Faça-se ser lembrado(a)

Crie conexões e faça com que o seu nome seja sempre lembrado para uma indicação. Advogados(as) (como você deve saber) fazem parte de uma comunidade leal. Isso faz com que as indicações normalmente sejam feitas por colegas que já sabem sobre você e sobre o seu perfil profissional. Para garantir essa boa rede, participe de cursos e eventos oferecidos por órgão e entidades do meio jurídico.

2. Conheça seu público-alvo

Segmente seus clientes e valorize sua área de atuação.

3. Especialize-se

Determine as áreas nas quais mais atua ou gostaria de atuar. Faça uma busca por cursos, eventos e conteúdos que possam aprimorar seus conhecimentos e habilidades.

4. Invista em seu escritório

Busque o apoio de profissionais de finanças, de administração, de marketing… Tudo para que você tenha tempo para advogar e se sinta seguro(a) para atuar sem se preocupar com as demais demandas de um negócio.

5. Apoie-se em boas ferramentas

Gerenciadores de escritório, sistemas de integração, arquivos on-line, agendas eletrônicas, certificados digitais  e qualquer outro tipo de plataforma ou ferramenta que garanta a melhora de seus resultados.

6. Aprenda com colegas de profissão

Faça, mensalmente, um encontro de advogados, de diversas áreas. Conheça visões diferentes das suas, entre em debates fora dos tribunais, enriqueça sua bagagem profissional por meio do outro.

7. Priorize seus clientes

Saber ouvir, entender e utilizar a empatia são fórmulas infalíveis para se aproximar de seus clientes. A advocacia, com sua grandiosidade, vasta literatura, milhares de cases de sucesso e termos técnicos, muitas vezes afasta o advogado de seu cliente. Criar uma conexão real com o seu “consumidor” é a forma mais objetiva e genuína de mantê-lo por muito tempo e de conseguir indicações para novos casos.

8. Aposte nas redes sociais

Aqui na AASP, contamos com a participação de diversos especialistas do Direito em nossos cursos e treinamentos. Para divulgar essas participações, normalmente, eles se utilizam de suas redes sociais. Esse é apenas um exemplo de como esse canal pode ser valioso para a divulgação de suas ações dentro da advocacia. Desta forma você aumenta sua autoridade no meio e torna seu nome mais reconhecido por colegas e potenciais clientes.

9. Separe seu planejamento em etapas

Em bate-papo com a presidente da Comissão Especial de Gestão, Empreendedorismo e Inovação do Conselho Federal da OAB, Lara Selem, perguntamos sobre como deve ser uma boa gestão em um escritório de advocacia:

“Em primeiro lugar, há que se planejar, definir as áreas de atuação conforme a leitura do mercado, definir os segmentos de clientes, ajustar os acordos entre os sócios e estabelecer metas ousadas e possíveis que direcionem os esforços. Depois, a partir dessas definições, deve-se pensar na política de gestão de pessoas (carreira e remuneração), nas normas internas para a gestão jurídica (controladoria e sistemas), no plano tático de marketing jurídico considerando o Código de Ética da OAB e, por fim, nas políticas financeiras (contas a pagar e a receber, indicadores e precificação). Importante contar com auxílio especializado na condução de cada núcleo de gestão, se possível”.

10. “Concentre-se naquilo que você é bom e delegue todo o resto”, Steve Jobs.

Siga investindo no seu aprendizado e na evolução de seus conhecimentos. Mas, lembre-se, de não deixar que as demandas de diversas áreas diminuam sua atuação. As dicas anteriores se resumem em: enxergar o todo, entender no que você é melhor, no caso do Direito, em advogar, e buscar parceiros que possam te auxiliar em todo o resto. Ter clareza sobre como gerir um negócio e (ou) sua carreira jurídica é um passo essencial para tomar as decisões mais assertivas.

Para auxiliar em algumas dessas dicas para advogados, lembramos que a AASP tem como missão facilitar o dia a dia dos advogados e, com os produtos e serviços corretos, potencializar sua atuação. Por isso, conte conosco, seja com cursos, eventos, publicações, atendimento, serviço de intimações, enfim, conte com nossa expertise e gama de serviços pensados para você e para seu sucesso profissional.

 

Fonte: Núcleo de Comunicação AASP

Últimas notícias sobre a AASP

Inovação: você está preparado(a) para as mudanças no Direito?

16 Jan, 12:36

Inovação: você está preparado(a) para as mudanças no Direito?

Prepare-se para o Business Beyondment | Inovação e Negócios

16 Jan, 12:06

Prepare-se para o Business Beyondment | Inovação e Negócios

Uso da tecnologia deve estar em equilíbrio com a proteção de direitos das pessoas

14 Jan, 20:33

Uso da tecnologia deve estar em equilíbrio com a proteção de direitos das pessoas