Atendimento presencial

Unidade Centro

Segunda a sexta, das 8 h às 19 h

Rua Álvares Penteado, 151/165 - Centro, São Paulo - SP.

Unidade Jardim Paulista

Segunda a sexta, das 8 h às 21 h

Alameda Santos, 2159 - 15º andar - Jardim Paulista, São Paulo - SP.

Unidade Brasília

Segunda a sexta, das 8 h às 18 h

SBS Qd. 02, Bloco E, sala 206, Parte E-19 - Asa Sul, Brasília/DF.

Atendimento digital

Segunda a sexta, das 8 h às 19 h

Chat on-line no site

WhatsApp (11) 99424 6731

atendimento@aasp.org.br

Atendimento telefônico

Segunda a sexta, das 8 h às 19 h

(11) 3291 9200*

0800 777 5656**

* Para telefone fixo e celular da Capital e Região Metropolitana de São Paulo.

** Para telefone fixo nas demais regiões.

Ouvidoria

Queremos ouvir sua opinião sobre prerrogativas e a AASP.

close

Notícias

TJSC – Jovem é exposto como bandido em rede social após fazer fotografias de cães e flores

08 Nov, 15:30
Compartilhar

Um casal foi condenado a pagar R$ 3 mil em favor de um jovem de 19 anos, a título de danos morais, por expô-lo nas redes sociais como bandido. Homem e mulher deverão também publicar retratação na página eletrônica para reparar a ofensa cometida.

A decisão foi prolatada pelo juiz Décio Menna Barreto de Araújo Filho, do 3º Juizado Especial Cível da comarca de Joinville. A desconfiança em relação ao jovem surgiu porque ele aparentemente fotografava a casa dos réus, em atitude considerada suspeita. Ato contínuo, o casal publicou fotos do jovem em rede social, com alerta à comunidade sobre a existência de um “malaco” nas redondezas.

A postagem logo repercutiu e os pais do autor tomaram conhecimento. Nos autos, entretanto, ficou provado que ele apenas havia tirado fotos de cachorros e flores. O jovem possui algumas sequelas motoras, dificuldade de aprendizagem e problemas psicológicos por acidente doméstico na infância. Conhecido na comunidade, ele costumava frequentar um asilo e a escola local, onde auxiliava e tinha bom relacionamento com todos.

Apesar das dificuldades que possui, o autor tinha liberdade e autonomia para ir e vir no seu trajeto rotineiro. Apenas após muita insistência dos familiares do jovem é que os réus apagaram a postagem. Neste ínterim, contudo, o garoto já estava com medo de caminhar na rua sozinho e ser hostilizado. O juiz destacou que as provas dos fatos trazidas aos autos comprovam a razão do autor. A postagem, mesmo excluída depois, já havia maculado a imagem do jovem.

O magistrado também destacou que o direito de informar, aclamado pelos réus em sua defesa, encontra limite no direito individual da pessoa à imagem, à intimidade, à honra e à vida privada, preceitos garantidos pela Constituição Federal. Se a divulgação da informação é um direito, afirma o juiz, a ausência de sensacionalismo e excessos é um dever. “As alegadas ofensas extrapolaram a opinião crítica a respeito dos fatos”, interpretou o magistrado. Caso não cumpram com a obrigação de retratar-se publicamente, os réus deverão pagar multa no valor de mil reais (Autos n. 032490713.2017.8.24-0038).

Fonte: Tribunal de Justiça de Santa Catarina

Fonte: TJSC