Atendimento presencial

Unidade Centro

Segunda a sexta, das 8 h às 19 h

Rua Álvares Penteado, 151/165 - Centro, São Paulo - SP.

Unidade Jardim Paulista

Segunda a sexta, das 8 h às 21 h

Alameda Santos, 2159 - 15º andar - Jardim Paulista, São Paulo - SP.

Unidade Brasília

Segunda a sexta, das 8 h às 18 h

SBS Qd. 02, Bloco E, sala 206, Parte E-19 - Asa Sul, Brasília/DF.

Atendimento digital

Segunda a sexta, das 8 h às 19 h

Chat on-line no site

WhatsApp (11) 99424 6731

atendimento@aasp.org.br

Atendimento telefônico

Segunda a sexta, das 8 h às 19 h

(11) 3291 9200*

0800 777 5656**

* Para telefone fixo e celular da Capital e Região Metropolitana de São Paulo.

** Para telefone fixo nas demais regiões.

Ouvidoria

Queremos ouvir sua opinião sobre prerrogativas e a AASP.

close

Notícias

TJSC – Cliente que atacou profissional de telefonia com ofensa racista terá de indenizá-lo

13 Jun, 14:31
Compartilhar

O juiz Ricardo de Machado de Andrade, titular da 2ª Vara Cível da comarca de Criciúma, condenou uma mulher ao pagamento de indenização por danos morais, no valor de R$ 30 mil, pela prática de racismo contra funcionário de uma empresa de telefonia, registrada após visita do profissional à residência da ré. O trabalhador, de origem afrodescendente, relata que foi ofendido moralmente com palavras de cunho racista após informar que os serviços solicitados pela consumidora não poderiam ser realizados pela sua empresa.

Ao deixar a residência, o cidadão recebeu uma ligação da cliente, oportunidade em que os impropérios foram ditos. A mulher, em sua defesa, acusou o funcionário de tentar assediá-la, durante a visita, por conta dos trajes que vestia naquela oportunidade. O magistrado apontou, na sentença, que é dever das partes fornecer os elementos de prova que lhe cabem para sustentar seus pleitos. ” Compete, em regra, ao autor a prova do fato constitutivo e ao réu a prova do fato extintivo, impeditivo ou modificativo”, explicou.

E, neste sentido, somente o autor apresentou prova, da qual se retrata fielmente a conversa entre as partes. “Naquele diálogo a ré ofende moralmente o autor, onde se refere à sua cor, origem e profissão de modo pejorativo e preconceituoso, contrariando à moral e os bons costumes de educação e consideração humana”, fundamentou o Juiz. Cabe recurso ao Tribunal de Justiça(Autos 0305260-23.2016.8.24.0020).

Fonte: Tribunal de Justiça de Santa Catarina

Fonte: TJSC