Atendimento 

Segunda a sexta, das 8 h às 19 h

WhatsApp (11) 99424 6731

atendimento@aasp.org.br

(11) 3291 9200*

0800 777 5656**

* Para telefone fixo e celular da Capital e Região Metropolitana de São Paulo.

** Para telefone fixo nas demais regiões.

Ouvidoria

Queremos ouvir sua opinião sobre prerrogativas e a AASP.

close

Notícias

Empresa de seguros é condenada a indenizar pais de segurado morto a mando de ex-esposa

11 Fev, 8:29
Compartilhar

Pais não constavam como beneficiários.

O juiz Thomaz Carvalhaes Ferreira, da 7ª Vara Cível de Ribeirão Preto, condenou seguradora a indenizar pais de segurado que foi morto a mando de sua ex-esposa. Eles receberão um total de R$ 227.964,00, equivalente a 50% do valor previsto em contrato.

Consta dos autos que o rapaz contratou seguro de vida individual, tendo como única beneficiária sua ex-cônjuge, que foi deserdada após ter sido condenada como mandante de seu assassinato. Os pais do segurado notificaram a empresa para pleitear o recebimento do valor integral da indenização – uma vez que ele não deixou filhos –, mas não tiveram sucesso, razão pela qual ajuizaram ação de cobrança.

Ao proferir a sentença, o magistrado afirmou que, diante da exclusão da única beneficiária, cabe aos pais (herdeiros necessários na ordem de vocação hereditária) o recebimento de metade do prêmio relativo à morte do segurado, valor que era, à época dos fatos, de R$ 40 mil. “O contrato firmado é plenamente válido e gerou todos os efeitos, contando com o pagamento em dia das prestações, inexistindo qualquer vício de consentimento ou formalidade, tampouco previsão expressa de cobertura de risco por ato doloso do segurado, beneficiário ou representante apto a nulificá-lo”, escreveu. “Condeno o polo passivo ao pagamento da importância de R$ 40.000,00, destinando-se metade do valor a cada um dos autores, perfazendo a quantia atualizada de R$ 227.964,00, relativa ao seguro por morte, com juros da primeira notificação extrajudicial para pagamento e correção monetária a contar da celebração do contrato, válida para janeiro de 2019.

Cabe recurso da decisão.

Processo nº 0014712-83.2010.8.26.0506

Fonte: Tribunal de Justiça de São Paulo

Fonte: TJSP