Institucional
Outros Serviços
AASP Cultural
Vitae - Rede Profissional
Mapa do Site
Fale Conosco
Cursos Jurisprudência
Boletim Revista do Advogado
Clube de Benefícios Novo Código de Processo Civil
Certificação Digital Cálculos Judiciais
Expediente Forense Alteração Cadastral
Intimações
Clipping Eletrônico
Filie-se à AASP
Seguro de Vida
Nº AASP
Senha
E-mail
Senha
Esqueci minha senha webmail
Criar e-mail gratuito
Notícias

Data/Hora: 24/9/2012 - 09:39:21 Aumentar o texto Diminuir o texto
Prescrição de droga lícita não enseja dever de reparar dano moral, diz TJSC

A 4ª Câmara de Direito Civil do TJ manteve decisão de 1º Grau que negou reparação de danos pleiteada por uma mulher que precisou recorrer a uma cirurgia de emergência para combater uma úlcera perfurada a partir da ingestão de medicamento receitado por um cirurgião dentista após procedimento de implante dentário.

A paciente alegou que o odontólogo foi negligente ao não investigar adequadamente seu quadro de saúde antes de prescrever o medicamento, fator que teve por resultado a necessidade de cirurgia de emergência e posterior quadro de obesidade e transtorno de ansiedade.

O desembargador Luiz Fernando Boller, relator da matéria, entendeu que o profissional adotou postura correta ao ministrar remédio que, segundo pesquisa médica, é capaz de produzir efeitos analgésicos imediatos e se demonstra adequado para aliviar a intensidade da dor que poderia se registrar em período pós-operatório.

O magistrado destacou ainda que a paciente, mesmo com os efeitos adversos da medicação prescrita, manteve-se inerte, ignorou recomendação expressa na bula do antiinflamatório e sequer procurou auxílio ou comunicou tal fato ao seu cirurgião-dentista. Boller também derrubou o argumento da mulher sobre a alegada ausência de anamnese.

"Na ficha clínica (...), há apenas registro de reação alérgica ao medicamento Anador, inexistindo qualquer referência a problemas digestivos, azia ou enjôo esporádicos, ainda que decorrentes da alimentação", apontou. O relator concluiu, diante do quadro, que nada indicava ao dentista a possibilidade de forte reação da paciente ao medicamento ministrado.

Com o desprovimento do apelo, a apelante permanece obrigada ao pagamento das custas e honorários sucumbenciais, fixados em R$ 800,00. A decisão foi unânime (Apelação Cível nº 2010.036282-2).

Fonte: Tribunal de Justiça de Santa Catarina

     imprimir |  enviar  
Facebook da AASP Twitter da AASP Instagram da AASP Canal da AASP no Youtube Flickr WhatsApp da AASP
(11) 99424-6731